Pular para o conteúdo principal

Charlie Brown Jr., um lado que nem todos conhecem

Matheus Martins

Olá pessoas do meu Brasil brasileiro. Quanto tempo não é mesmo?
Hoje vim falar pra vocês sobre a história de uma banda que muitos aprenderam a ouvir e gostar de suas músicas. Estou falando do Charlie Brown Jr.
Tudo começou em Santos lá em 1987, quando um garoto, que amava skate e música, teve que substituir um vocalista de uma banda, que teve que sair por necessidades fisiológicas (rs). E lá estava o menino Alexandre pra substituí-lo.
Mas espera, quem é Alexandre na fila do pão? É claro, ninguém o chamava pelo nome, já que todas as vezes que ia andar de skate, ele caía e chorava, e chorava muito, acabou sendo zoado por seus amigos e apelidado de Chorão. Um apelido que ficou para o resto da sua vida. 
Agora que vocês já sabem quem é Alexandre, podemos seguir com nossa história.
Naquela noite, muitos viram o seu potencial para música, e como em um filme, tudo na hora e no lugar certo. Chorão foi convidado por uma das pessoas da platéia para ser o vocalista de sua banda. Algum tempo depois, ele conheceria o seu grande parceiro, que acompanharia ele para o resto da vida, Champignon, o baixista do CBJr.
Chorão, Champignon, Thiago Castanho, Marcão e Renato Pelado. Essa foi a primeira formação da banda, que teve seu nome pelo fato de eles estarem sem ideia, e acabar que Chorão causou um incidente, atropelando uma barraca de água de coco que tinha o desenho do personagem Charlie Brown. O Jr. veio pelo fato de eles serem os filhos do Rock. E ficou esse nome até o final da banda.
Eles se apresentavam em diversos bares pela cidade de Santos, e viram que estavam bombando na cidade, e foi nessa época que Chorão procurou quem faria eles explodirem para esse meio, o produtor Rick Bonadio, que estava em seu auge após produzir os Mamonas Assassinas.
Tempo vai, tempo vem. E entre muitas brigas e discussões internas, o grupo foi tendo várias formações, todos mudaram, menos Chorão, que sempre foi o pilar da banda. Até o baixista Champignon saiu da banda uma época, porém foi aceito de volta. 
Em 2012, o Charlie Brown se envolveu em uma polêmica, em que, no meio do palco, Chorão começa a discutir com o baixista, e como diz aquele velho ditado, jogou algumas verdades na cara de Champignon, que cinco minutos depois, deixou o palco. E como o show tem que continuar, eles continuaram sem ele mesmo.
Em meio a tantos comentários negativos sobre o acontecido, Chorão e Champignon divulgaram um vídeo pedindo desculpa aos fãs, e mostrando que estavam entendidos.
Um ano depois, ocorre o que muitos fãs queriam que nunca tivesse acontecido. Chorão é encontrado morto em seu apartamento. Para muitos, algo que já era premeditado pelo vocalista, já que na semana de sua morte, o cantor divulgara o novo single da banda "Meu novo mundo", onde passagens da letra eram bem estranhas para alguém que estava compondo apenas por compor.
Nessa mesma semana, CBJr se tornou a banda com mais compras eletrônicas no Brasil, e no Top 10 músicas ouvidas no país, nove eram deles. 
A última formação foi bem parecida com a primeira, apenas mudando o baterista: Chorão, Champignon, Marcão, Thiago Castanho e Bruno Graveto.
O futuro dos outros quatro era incerto, não sabiam se continuavam. Mas tempos depois, eles divulgaram que sim, continuariam, mas,por respeito a Chorão, não com o nome Charlie Brown Jr., e sim, A Banca. Quem assumiu o papel de vocalista foi o baixista, Champignon. E no baixo entraria Lena Papini
A banda também não durou muito, 5 meses após o início, o atual vocalista também é encontrado morto em seu apartamento, após suicidar-se.

Banca "A Banca"
Eu sei, eu sei, eu sei que foi uma história meio deprê pra encerrar minhas postagens nesse blog. Mas espero que vocês tenham gostado, não só dessa, mas de todas as outras publicações, tanto minhas quanto dos meus amiguinhos. É isso, um feliz natal e um ótimo 2018 pra todos vocês. Até Maaais!!


Charlie Brown Jr.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha Crítica - Peça Les Misérables

Hannah Ramos
Cena final da primeira parte da peça.
Todos nós, em algum momento de nossas vidas, ouvimos falar sobre Os Miseráveis. Mas o que é isso? Os Miseráveis é um romance escrito pelo francês Victor Hugo publicado, pela primeira vez, em 1862, e é considerado uma das maiores e mais importantes obras do século XIX. A história se passa na França do mesmo século de sua publicação, entre a Batalha de Waterloo (1815) e os motins de junho de 1832, e conta os desafios da vida de diversos personagens e suas interações entre si. Os personagens de maior destaque são Jean Valjean, um ex-presidiário condenado a 19 anos de prisão por roubar um pão que consegue uma nova chance para se reinserir na sociedade; Fantine, uma costureira parisiense que é abandonada com uma filha pelo seu amante; Cosette, filha de Fantine, que é obrigada a trabalhar para uma família em troca de comida e moradia; Javert, um oficial da polícia que persegue Jean Valjean; Marius Pontmercy, um aristocrata não reconhecido qu…

Resenha base líquida matte de O boticário.

Base Intese de O Boticário. Ana Caroline Santos

“ooi meninas tudo bom?” brincadeira... E por favor, sem estereótipos. Mais um post de beleza aqui no blog e o assunto agora é maquiagem. Eu venho testando uma base há quase um mês e depois de muitas experiências com a mesma acredito que estou apta a fazer uma resenha sobre ela. O produto em questão é a base líquida da linha Intese de O boticário. Aspectos interessantes é que o acabamento dela é matte, ou seja, mais sequinho, e maravilhoso para nós que vivemos em país tropical e queremos ficar com a base no rosto por muitas horas ou até para quem tem a pele oleosa. É de uma marca bem acessível e que podemos encontrar em qualquer shopping, além de ser da linha Intense que é a mais em conta.

Vamos à promessa do produto: Com efeito matte, proteção solar e longa duração de até 10 horas, a base Intense vai deixar sua pele impecável. A Intense Base Líquida disfarça pequenas imperfeições e deixa a pele com aspecto super natural, sem marcar linh…

Conheça a banda: Bikini Kill

Bikini Kill. Da esquerda para a direita: Tobi Vail, Kathleen Hanna, Kathi Wilcox e Billy Karren.
A música sempre foi, para muitos artistas, uma forma de expressar engajamento em algum movimento social. Na cena do rock, até o final dos anos 80, os artistas reconhecidos eram majoritariamente homens. Isso, somado com a influência de artistas femininas inovadoras do final dos anos 70, deu origem a uma vertente musical que se popularizou muito nos últimos anos do século XX: o riot grrl, que se baseava principalmente em letras feministas e políticas. Uma das bandas pioneiras desse estilo musical foi o Bikini Kill. Mas primeiramente, o que foi o riot grrl? Durante o final dos anos 70 até o meio dos anos 80, existiram muitas artistas femininas inovadoras que ganharam um certo espaço na cena musical e que mais tarde inspiraram a ideologia riot grrl, como The Runaways e sua integrante Joan Jett, Siouxsie Sioux, Poly Styrene, The Slits, Kim Gordon do Sonic Youth, Lydia Lunch, entre outras. Já em…